top of page

Lei do Descanso é “revogada” e preocupa especialistas

Dispositivo incluído no programa de renovação da frota impede autuação por descumprimento do tempo máximo consecutivo ao volante


Nova lei sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro, que cria o Renovar (Programa de Aumento da Produtividade da Frota Rodoviária no País), também traz novidades sobre o descanso obrigatório dos caminhoneiros: esses profissionais não serão mais multados se não encontrarem pontos de paradas oficiais na estrada ou vagas livres.


Na prática, especialistas temem que a legislação passe a dificultar a fiscalização de jornada, elevando o risco de acidentes nas rodovias por conta da exaustão dos motoristas. “Na prática, a Lei do Descanso perde o efeito”, diz Alysson Coimbra, diretor científico da Associação Mineira de Medicina de Tráfego.


O médico de tráfego explica que 90% dos sinistros de trânsito são provocados por falha humana. “Temos uma soma potencialmente fatal: excesso de jornada que causa o cansaço extremo e induz o uso de estimulantes para tentar permanecer acordado. Isso eleva o risco de falha humana, justamente de profissionais que dirigem 5% da frota de veículos do país, mas que, quando falham, respondem por 47% de todas as mortes nas rodovias. Esse retrocesso na Lei do Descanso certamente aumentará o número de mortos e feridos”, alerta Alysson Coimbra.


Fonte: Frota & CIA

1 visualização0 comentário
bottom of page