top of page

Risco de recessão mundial e juros altos exigem atenção, diz economista na CNT

As previsões para o cenário econômico até 2024 foram tema de palestra promovida pela CNT para empresários e representantes do transporte


O mercado mundial dá indícios de recessão branda em 2023, mas que pode se agravar ou se prolongar dependendo da resposta dos bancos centrais à inflação ainda elevada e à fragilização do sistema bancário, após falências e vendas de instituições financeiras nos Estados Unidos e na Europa. Essas preocupações ecoam também no Brasil. No caso do setor transportador, somam-se a tais intercorrências a retomada de impostos sobre combustíveis, a maneira como será feita a reforma tributária e a manutenção da taxa de juros em patamar elevado, o que inibe investimentos dos setores produtivos.


A análise acima foi apresentada pelo economista Fernando Sampaio ao descrever o cenário econômico que se avista para 2023 e 2024, na segunda-feira, 10, durante palestra promovida pela CNT a empresários e representantes do setor. “Fica difícil fazer apostas otimistas em um ambiente global desses”, observou.


O economista avaliou que, no caso do Brasil, o ano passado foi melhor do que o inicialmente previsto em termos de atividade econômica. Segundo ele, o pacote de benefícios, associado a desonerações de combustíveis, energia e telecomunicações, aqueceram a economia doméstica e o PIB acabou crescendo 2,9% em 2022.


“Ou seja, o conjunto de medidas deu certo. Só que, neste ano, é inevitável desacelerar, em função do fim das desonerações e da taxa básica de juros em 13,75% ao ano”, ressaltou Sampaio. O especialista ponderou, ainda, que será um grande desafio a inflação brasileira se estabelecer em 3% ao ano. “A média dos últimos anos é de 6,5%”, explicou.


O economista considerou que o ano passado foi melhor para o país do que o inicialmente previsto em termos de atividade econômica. Segundo ele, o pacote de benefícios, associado às desonerações de combustíveis, energia e telecomunicações, aqueceram a economia doméstica e o PIB acabou crescendo 2,9% em 2022.


“Ou seja, o conjunto de medidas deu certo. Só que, neste ano, é inevitável desacelerar, em função do fim das desonerações e da taxa básica de juros em 13,75% ao ano”, ressaltou Sampaio. O especialista ponderou, ainda, que será um grande desafio a inflação brasileira se estabelecer em 3% ao ano. “A média dos últimos anos é de 6,5%”, explicou.


A reforma tributária e o setor de transporte – Em relação à reforma tributária no Brasil, o impasse de fazê-la ou não deve continuar, segundo Sampaio. Ele avalia que, apesar de o debate sobre a necessidade de se reestruturar o sistema tributário estar mais maduro, ainda não está consensual. Existe apoio dos presidentes da Câmara e do Senado e de parte dos governos estaduais, mas as propostas discutidas até então, desoneram a indústria e não levam em consideração a realidade de outros setores, inclusive do transporte. Áreas onde a tributação deve se elevar significativamente.


Na melhor das projeções, com a virada de ano de 2023 para 2024, de acordo com ele, a economia mundial deve sustentar a recessão em um patamar leve e o governo brasileiro consegue aprovar o novo arcabouço fiscal e realizar a reforma tributária. Isso pode levar, paulatinamente, à queda do dólar e dos juros. Com isso, o Produto Interno Bruto (PIB) cresce e a inflação baixa. No caminho oposto está a chance de a inflação não ceder, os bancos centrais manterem os juros altos e, no Brasil, as mudanças do quadro político serem insuficientes para alavancar a confiança do mercado.


Fonte: Frota & CIA

2 visualizações0 comentário
bottom of page