top of page

ANTT aprova redução dos valores dos pisos mínimos de frete

Variação negativa nos valores ocorre após retração de 5,08% acumulada no preço do Diesel S10


A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) publicou, no Diário Oficial da União (DOU) da quarta-feira, 26, a atualização dos valores dos pisos mínimos de frete do transporte rodoviário de cargas. A Portaria Suroc (Superintendência de Serviços de Transporte Rodoviário e Multimodal de Cargas) nº 8/2023 divulga uma variação negativa nos valores em decorrência da retração do preço do Diesel S10 de 5,08%.


O reajuste considera o preço final do Diesel S10 nas bombas, uma vez que a Lei nº 14.445/2022 determina que a tabela seja reajustada sempre que ocorrer oscilação no valor do combustível superior a 5%, seja para baixo ou para cima, chamada de “gatilho”. Pela legislação, a Agência precisa reajustar a tabela do frete a cada seis meses ou quando a variação do preço do diesel for igual ou superior a 5%, quando é acionado o mecanismo de gatilho. O último reajuste da tabela pelo mecanismo do gatilho tinha ocorrido em fevereiro deste ano.


Segundo levantamento da ANP, entre 16/4/2023 e 22/4/2023, o preço médio do Diesel S10 ao consumidor ficou em R$5,79 por litro, o que resultou em um percentual de variação negativa acumulada de 5,08%, desde a publicação da Portaria Suroc nº 5/2023, quando ocorreu o último reajuste na tabela frete.


Os reajustes médios tabela frete foram os seguintes, de acordo com o tipo de operação:


Tabela A – transporte rodoviário de carga de lotação: – 2,15%

Tabela B – veículo automotor de cargas: -2,44%

Tabela C – transporte rodoviário de carga lotação de alto desempenho: -2,62%

Tabela D – veículo de cargas de alto desempenho: -2,93%


A Lei nº 14.445/2022, que institui a Política Nacional de Pisos Mínimos do Transporte Rodoviário de Cargas (PNPM-TRC), determina que compete à ANTT publicar norma com os pisos mínimos referentes ao quilômetro rodado na realização de fretes, por eixo carregado, consideradas as distâncias e as especificidades das cargas.


Fonte: Frota & CIA

0 visualização0 comentário
bottom of page